Pela primeira vez, 6ª Companhia Independente de Polícia Militar é comandada por uma mulher

358
Publicidade

Não é de hoje que a mulher busca conquistar posições que até poucos anos atrás eram somente ocupadas por homens. Fazer parte das fileiras da Polícia Militar é um desses lugares, onde é mais comum a figura masculina. E chegar a um posto de comando na instituição é quase um prêmio. A major Viviane Vieira é uma dessas mulheres que conseguiram quebrar a barreira da masculinidade e, após 17 anos servindo a sociedade como policial militar, este ano foi a primeira mulher a assumir o comando da 6ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM), em Cabedelo. A Companhia atua na área compreendida entre Intermares e Ponta de Campina, além do Renascer, Jacaré, Salinas Ribamar, chegando até o final de Cabedelo.

A major Viviane já fez parte da tropa da 6ª CIPM e agora retornou na condição de comandante. “É uma vitória, uma conquista das mulheres. É o reconhecimento do trabalho feminino na Polícia Militar. É uma nova fase que podemos ver, no qual o governo exalta o poder feminino em cargos de chefia”, comentou.

Sobre este novo desafio, ela ainda acrescentou: “Vou tentar seguir os exemplos que eu tive de alguns comandantes que me ensinaram muito. Vou filtrar o que é bom e comandar para a população, trabalhar para a sociedade. O sentimento de ser a primeira mulher no comando desta Companhia é honroso e vamos seguir os bons exemplos, as boas práticas.”

Atualmente, a rotina da major Viviane passou da área da execução para a gestão. Ela gerencia pessoas e missões, mantém contato com várias forças de segurança da área de Cabedelo como Semob, Guarda Municipal, Desefa Civil e Corpo de Bombeiros. Essa conexão tem como objetivo promover uma maior rede de apoio na questão da segurança.

A major Viviane começou sua trajetória na Polícia Militar há 17 anos e comentou que este era um desejo que a acompanhou durante sua adolescência. “Tudo começou com um sonho antigo que eu tinha de ser policial militar. Eu adentrei no curso de Formação de Oficiais com apenas 17 anos, foi a realização do meu sonho. Desde então, trilho essa honrosa carreira na instituição com empenho total”, afirmou.

Durante a sua trajetória na Polícia Militar, as ocorrências envolvendo crianças foram as que mais a marcaram. “Houve um fato em 2015, no qual um bebê foi encontrado abandonado na rua, após o parto. Isso me chocou muito. Outro momento foi no 5⁰ Batalhão em que eu atendi uma ocorrência de abandono, onde a criança me relatou a situação pela qual ela passava. Era uma realidade de muito sofrimento e eu resolvi me aproximar da família dela e mantenho contato com a criança até hoje”, falou emocionada.

Ela concluiu ressaltando o papel da Polícia Militar para a sociedade e afirmando que a sociedade pode ter confiança na corporação. “Peço a população que continue acreditando no trabalho da Polícia Militar. O nosso lema é servir da melhor forma possível. Quando virem uma viatura policial, saibam que aqueles profissionais estão ali para defender o povo. Então, confiem na Polícia Militar da Paraíba”, disse.

Publicidade